Saiba como fazer uma recepção e adaptação impactante para seus colaboradores!

Os primeiros passos dentro de uma nova organização podem ser os mais difíceis, por isso gestores e profissionais da área de gestão de pessoas estão sempre a procura de desenvolver novos métodos e ferramentas para melhor receber e integrar novos colaboradores em suas equipes. Aqui revisitaremos uma das técnicas mais discutidas e valiosas neste assunto: o Onboarding.

O que é o Onboarding? E para que serve?

Do inglês, onboarding significa embarcando, e define bem este conjunto de métodos para recepcionar recém-contratados. O Onboarding nada mais é do que um processo de integração de equipe, que se propõe em passar não apenas conhecimento e treinamento geral sobre sua nova função ao recém-chegado, como também transmitir os valores e a cultura da organização, melhor integrando o colaborador em seu novo ambiente de trabalho.

Vale deixar claro também que este processo pode ter várias etapas e tipos, podendo ser construído pela equipe de gestão de pessoas para ser inteiramente específico à sua organização.

O Onboarding possui diversas vantagens para uma melhor e mais rápida adaptação de novo pessoal à organização, o que por si só pode aumentar níveis de produtividade, já que se apresenta e engaja o colaborador em sua função muito mais rápido. Porém, além dos benefícios diretos, o Onboarding também se trata de um processo valioso em retenção de talentos, ou seja, na atração e permanência de candidatos de alto nível e com bom desenvolvimento de suas funções dentro da organização.

A criação de bons métodos de integração e recepção, criando um ambiente saudável e comunicativo entre equipe e gestores, também auxilia na redução de rotatividade de cargos, já que novos colaboradores se sentem mais interligados e acolhidos pela cultura da organização.

Quais os principais pontos do Onboarding?

Ao construir o método de Onboarding em cada organização, é necessário ter em mente os objetivos centrais que se espera alcançar durante a incorporação do novo colaborador em seu ambiente de trabalho e em sua equipe. Portanto, precisamos saber os 4 princípios da integração que vão guiar a montagem deste processo.

  • Acolhimento: O primeiro momento da recepção é o acolhimento, é fazer com que o novo colaborador se sinta bem recebido e tenha uma boa primeira impressão da organização. Este ponto pode se iniciar antes mesmo da chegada do contratado, por meio de e-mails e uma comunicação acolhedora que se aproveite desta onda de animação e energia que se tem ao começar em um novo emprego. No primeiro dia de trabalho é bom organizar um kit de boas-vindas com cartões personalizados, mimos e orientações da organização sobre onde e como começar. Se sua empresa é bastante presente em mídias sociais, uma postagem ou foto com o colaborador também cria uma boa lembrança futura do começo de carreira. O importante neste princípio é ter uma gestão anfitriã;
  • Conhecimento: Dadas as boas-vindas, um bom ótimo passo é uma troca de informações e perspectivas. Muito disto já pode ter sido feito no período de seleção, mas é importante revisar com o novo colaborador os valores e a cultura da organização, para que todos estejam na mesma página. Neste momento é bom também apresentar e integrar a equipe com o novato, para que já se desenvolvam laços e para que os gestores e líderes das equipes atualizem suas prioridades e seus recursos. É vital que haja comunicação, que a organização saiba o que o colaborador espera dessa nova relação e vice-versa.
  • Treinamento: Como tratamos antes, o ideal para um bom Onboarding é recepcionar e integrar o recém-chegado à suas funções o mais rápido e da melhor maneira possível, para otimizar a produtividade e o tempo de adaptação. Por isso, é bom pensar em um plano de treinamento para o colaborador estar a par de suas responsabilidades e suas competências. Também é vantajoso designar um mentor, ou seja, outro colaborador que se disponha a acompanhar e auxiliar o novato a se encaixar na organização, a resolver suas dúvidas mais básicas, além de facilitar o processo de orientação da equipe. O momento é para focar no desempenho do colaborador e em seu preparo, evitando qualquer problema futuro em sua função.
  • Comprometimento: Por fim, um bom processo de Onboarding não se mede apenas pela boa recepção, mas sim pela permanência de seus colaboradores e como pode fazer a diferença nas perspectivas de futuro de seu recém-chegado. É preciso cultivar um sentimento de compromisso mútuo pelo sucesso, que se estabeleça entre a gestão e o colaborador, e entre a equipe e o colaborador. É mostrar que ele é mais do que bem-vindo naquele ambiente, ele faz parte, portanto o gestor que procura sucesso e procura manter sua equipe de alta qualidade e desempenho sempre se propõe a contar com eles no futuro, a mostrar que “vestir a camisa” é mais do que se encaixar na cultura da organização, é procurar o sucesso juntos e saber que agora este recém-chegado não é só um novo membro, mas sim uma nova parte vital da história desta empresa. Praticar este relacionamento de um futuro compartilhado é essencial para integrar um colaborador a sua organização.

Todo mundo lembra como era difícil chegar na escola no primeiro dia, aquela ansiedade, medo, nervosismo, antecipação. Fazer parte de uma nova equipe é a mesma coisa, portanto devemos sempre procurar os melhores jeitos e maneiras de receber e integrar nossos novos colegas de trabalho. Tenha sempre em mente estas dicas sobre a importância e a eficiência do Onboarding.